terça-feira, 30 de agosto de 2011

Jesus não é Religião . Tem certeza ?







Hoje em dia existe um movimento de evangélicos que pegou um modismo que para mim beira ao ridículo; Eles se dizem não religiosos, apenas seguidores de Jesus.

Mas será que realmente são seguidores de Jesus, ou melhor, será que eles seguem o mesmo Jesus que nos ensinam as escrituras, ou outro criado para satisfazer a sua própria visão?

Eu acho esta afirmativa de se dizer não religioso tão cheia de infantilidade que hoje decidi escrever aqui sobre como é absurdo movimentos deste tipo.

Eu poderia começar escrevendo que a maioria dessas pessoas na verdade querem apenas aparecer como os verdadeiros espirituais da historia, como se níveis espirituais fossem um jogo de vídeo game, aonde você precisa competir com os demais para saber quem vai ganhar o nível máximo do céu.

Poderia dizer que na verdade existem muitas pessoas que ainda insistem em demostrar a sua espiritualidade aos demais para com isso ganhar uma espécie de status dentro da comunidade ou até mesmo esconder erros e pecados fazendo uso desta espiritualidade exagerada como uma mascara diante de todos.

Mas decidi começar fazendo uma afirmativa para deixar as coisas bem claras e fáceis de entender.

Jesus Não é um ícone universal pertencente a todas as religiões, a todas as formas de pensamentos e a todas as ideologias de vida.

Você não pode simplesmente pegar um ícone da historia, alguém que existiu em uma determinada época, que pregou uma determinada ideologia, que viveu em uma época especifica, e querer moldar este personagem da maneira que bem entender, e fazer ele se adaptar a sua forma de ver o mundo!

OK agora depois desta afirmativa vou tentar demostrar como é sem sentido tentar separar Jesus da religião.

Para começo de conversa separar Jesus da sua religião é no mínimo demonstração explicita de falta de conhecimento bíblico, de falta de conhecimento histórico e de falta de bom senso.

Todo movimento ecumênico tenta fazer de tudo para unir as religiões, para unir toda forma de pensamento tentando demostrar que todos os caminhos levam o homem para Deus, que os conceitos propostos em uma determinada religião são os mesmos propostos em outra apenas com nomes diferentes.

Concordar com isso além de um heresia das grandes é não conhecer de maneira profunda os conceitos de uma determinada crença, é negar que as nuances culturais tem influencia no pensamento humano e isto por sua vez é demostrar falta de conhecimento total de como a sociedade evolui em sua forma de ver o mundo através das suas experiências de vida.

É negar a historia simplesmente em nome de uma unidade fictícia para satisfazer os desejos do coração.

Existem muitos motivos que levam pessoas a tentar separar Jesus de sua crença, alguns são de origens politicas como no caso do começo da igreja católica e no principio do protestantismo que lutaram para separar qualquer envolvimento entre a “igreja” e os “Judeus”.

Outros são de origem puramente mercadológica, pois é muito mais fácil ganhar dinheiro moldando Jesus da maneira que se desejar do que ter que moldar todo um pensamento religioso totalmente estabelecido.

Mas alguns tentam separar Jesus de suas crenças simplesmente por falta de conhecimento mais aprofundado das escrituras, Por que foram ensinados a pensar de um maneira especifica, a olhar a bíblia de um ponto de vista simplório.

E é exatamente por isso que estou escrevendo este texto.

Jesus foi um personagem histórico que nasceu e viveu dentro de uma religião muito bem estabelecida, com princípios muito bem explícitos e com uma visão de mundo bem diferente dos povos ao redor.

Todos os seus ensinamentos se analisados de maneira profunda demostram por si só que ele cria profundamente em sua própria religião e fazia uso das mesmas técnicas de ensinamento propostos pelos rabinos e sábios de sua época e de épocas anteriores.

Do dia de seu nascimento até o dia de sua morte e posterior ressureição ele viveu sua vida segundo as tradições estabelecidas muito antes de seu nascimento, apenas discordando de algumas interpretações equivocadas.

Analisando vários textos percebemos que nada mais absurdo do que tentar impor a Jesus uma revolta contra sua própria religião, ou contra todas as tradições estabelecidas pelos fariseus e escribas.

Ninguém em sã consciência tenta ir contra a sua crença e ao mesmo tempo permanece cumprindo os preceitos desta e sendo categórico ao ensinar que se deve continuar cumprindo estes mandamentos.

“Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus. Mateus 5:19

Algumas pessoas tem a capacidade de dizer que Cristo violou certos mandamentos, isto seria um grande absurdo pois se assim fizesse estaria automaticamente negando a sua messianidade.

Se ele cumpria e mandava cumprir os mandamentos que foram estabelecidos dentro da sua crença, como alguém pode afirmar que seguir estes mandamentos não é ser religioso?

Algumas pessoas afirmam que ao criticar certos fariseus ele estava com isso indo contra a sua religião, mas oque muitos não conseguem compreender é que isso não é verdade, pois o texto a seguir demostra bem oque exatamente era a critica feita por Jesus.

“Então falou Jesus à multidão, e aos seus discípulos, Dizendo: Na cadeira de Moisés estão assentados os escribas e fariseus. Todas as coisas, pois, que vos disserem que observeis, observai-as e fazei-as; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não fazem;” Mateus 23 : 1 ,2 3

Nada mais obvio nestes versículos do que perceber que a critica em si não era a religião, nem os conceitos propostos pelos fariseus e escribas, mas sim a hipocrisia de alguns que não cumpriam aquilo que se ensinava.

Se Jesus afirma que os Fariseus e escribas de sua época possuem autoridade vinda de Moises que é a maior autoridade legislativa do povo de Israel, e que seus discípulos devem observar e seguir seus ensinamentos , como alguém pode afirmar que Jesus e seus discípulos não eram pessoas religiosas?

Outro ponto interessante a se analisar é o nome Cristo, algumas pessoas usam este titulo como se ele fosse um sobrenome como Silva ou Souza.

Quando dizemos Jesus Cristo estamos afirmando com isso que ele é O Cristo, O Messias , O Ungido que haveria de vir segundo as profecias antigas.

Este é um conceito religioso que existe dentro da religião judaica , que se desenvolveu com o passar dos anos. Dizer que não é religioso e fazer uso de um conceito religioso ultrapassa a logica e acaba virando uma piada se não fosse algo trágico.

As pessoas precisam prestar mais atenção nas suas próprias palavras , nos conceitos que estão incluídos em simples expressões de fé.

Eu até consigo entender que muitas pessoas se dizem não religiosas por que estão indignadas com os lideres atuais e com boa parte das instituições religiosas .

Mas oque precisamos entender é que a nossa indignação não pode ser uma desculpa para irmos contra o caminho correto a se seguir, não podemos criar um novo caminho, ou uma nova proposta, adaptando tudo oque lemos nas escrituras a um conceito que não esta ali.

O caminho da indignação não pode ser um caminho tortuoso ou obscuro, temos que trilhar nossas vidas debaixo da luz das escrituras.

E isto inclui entendermos exatamente como se entendia naquela época.

Criar novos conceitos, novas palavras, não vai nos ajudar a viver uma vida segundo o coração de nosso Deus.

Precisamos andar os mesmos passos de nosso Mestre , e isto significa entendermos a bíblia da maneira que ele entendeu e que seus discípulos transmitiram até os dias de Hoje.

Eu convido você a pensar mais, a refletir mais, a usar este sentimento de indignação da maneira correta, se aprofundando nas escrituras e só transmitindo algo que você realmente percebeu que está mais próximo do pensamento original.

Fuja de modismos , pensamentos , ideologias e movimentos que nada tem a ver com os ensinamentos de nosso Mestre.

É tempo de mudança, É tempo de retornar.


Eduardo e. da silva

5 comentários:

  1. Gostei, Duh. Além do que muitas vezes dizer que não é religioso pode ser um tipo de respeito humano, medo de não ser aceito pelas suas convicções e práticas de fé.
    O Senhor é maior do que os templos e igrejas, mas se faz presente na reunião feita em seu nome,congregar é uma ordenança, e temos a promessa de que se orarmos em concordância seriamos atendidos.
    È tempo de retornar a Palavra, a prática do Cristianismo, servir com pureza e compromisso,testemunhar a fé com nossas vidas,ministrar os dons de Deus e o Seu Poder. Coerência e fidelidade para viver nesses tempos de tantas dificuldades.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Religiosidade, no meio cristão tem sido associada à hipocrisia, à fé morta. Assim, existem pessoas que não querem ser identificadas dessa forma e não aceitam o título de religiosas.
    Penso que muitas vezes, a dificuldade está em diferenciar sentido e significado de palavras.
    Por causa do sentido pejorativo, esquecemos do significado, e nos vemos falando coisas vazias como: “não sou religioso”.
    Mas não consigo ver malícia em tal atitude. Apenas ignorância, que pode ser facilmente abandonada ao ler este post.

    ResponderExcluir
  4. A Bíblia diz: Haverá um dia que não suportarão a Sã Doutrina, e certamente esse dia já chegou. O fato é que quem se diz discípulo de Jesus deve fazer a obra segundo ele determinou. Seu artigo é bem claro. Parabéns meu amado, Eduardo.

    ResponderExcluir
  5. oba até meu pastor comentando, to ficando chique heim!!! Muito obrigado pastor Hudson!!

    ResponderExcluir